Inteligência Artificial Generativa na Indústria Jurídica

Inteligência Artificial Generativa na Indústria Jurídica

Na era da revolução tecnológica, a Inteligência Artificial (IA) emerge como uma força transformadora, despertando tanto entusiasmo quanto receios, especialmente no cenário jurídico. Este texto busca desvendar mitos e explorar as vastas oportunidades que a Inteligência Artificial Generativa (GAI) oferece para a indústria jurídica. Analisaremos como a GAI não apenas economiza tempo em tarefas tediosas, mas também impulsiona a produtividade, tem amplo impacto econômico e cria um cenário propício para a colaboração entre humanos e tecnologia. Além disso, através de exemplos práticos de organizações líderes que já abraçaram essa revolução, examinaremos como a IA está moldando o futuro do trabalho jurídico. Navegaremos pelo passado para entender como a história nos ensina a abraçar e adaptar-se às mudanças tecnológicas, destacando paralelos intrigantes entre a evolução de setores diversos e a atual revolução na indústria jurídica. Ao final desta exploração, a visão é clara: a Inteligência Artificial, quando adotada de maneira responsável e estratégica, tem o potencial de aprimorar significativamente a forma como operam os profissionais do direito.

Vantagens e Benefícios da IA Generativa (GAI)

Economia de Tempo

A tecnologia GAI proporciona uma economia de tempo considerável para algumas das tarefas legais mais tediosas. Por exemplo, a identificação e extração de dados durante a fase de descoberta – “A IA acelerará enormemente esse processo, realizando em segundos o que, sem a IA, poderia levar semanas.” (Microsoft, 2023). A tecnologia GAI também pode ser utilizada para produzir rapidamente rascunhos iniciais, fornecendo aos advogados um ponto de partida em vez de uma tela em branco, ou até mesmo prever argumentos que a parte adversária é provável de apresentar. Embora esse conteúdo precise ser complementado por advogados (humanos), é inegável que os ganhos de eficiência serão extraordinários.

Aumento da Produtividade

De acordo com um dos primeiros estudos a analisar a aplicação prática da GAI no ambiente de trabalho, que mediu a produtividade de mais de 5.000 agentes de atendimento ao cliente em uma empresa de software, o acesso à assistência de IA aumentou a produtividade dos agentes em 14%, medido pelo número de problemas dos clientes que conseguiram resolver por hora. Benefícios adicionais incluíram melhoria no sentimento do cliente, redução de pedidos de intervenção gerencial e aumento na retenção de funcionários.

Amplo Impacto Econômico

A Casa Branca concluiu que os benefícios da IA “poderiam abranger setores, proporcionando aos trabalhadores tempo para novas tarefas e às empresas maior velocidade e precisão por meio da automação”. O uso da tecnologia de IA sem dúvida apresentará “muitas oportunidades para transformar positivamente nossa economia, incluindo a criação de novos empregos que jamais existiriam sem a IA”, (The White House, 2022). Portanto, a argumentação de que o ChatGPT e ferramentas semelhantes de GAI não proporcionarão economia de tempo ou custo na indústria jurídica ignora evidências convincentes em contrário.

Utilizando GAI para Aprimorar o Trabalho e Criar Novas Oportunidades

“Não vejo a IA substituindo um advogado”, diz Joel Murray, advogado do escritório de advocacia McKean Smith. No entanto, ele observou que, se desenvolvida corretamente, “a IA pode ser outro meio pelo qual os advogados podem aumentar sua produtividade e obter resultados ideais para os clientes”. Enquanto grande parte da atenção da mídia tem se concentrado nos riscos do uso de novas ferramentas de IA, é importante enfatizar que essa tecnologia também tem o potencial de aprimorar a maneira como trabalhamos, levando a novos empregos e benefícios para a nossa sociedade.

Essa dinâmica é frequentemente chamada de “a corrida entre automação e aprimoramento”, com a IA servindo como catalisador para novas oportunidades de emprego criadas a partir do uso da tecnologia. Já estamos vendo surgirem novos empregos, incluindo “engenheiros de prompt”, com altos salários. A PricewaterhouseCoopers (PwC) também reconheceu esse sentimento em um comunicado recente. A PwC não pretende substituir seus trabalhadores por GAI; em vez disso, eles querem “otimizar seus empregos automatizando tarefas demoradas e repetitivas”. Essa abordagem pode ser usada na indústria jurídica, aproveitando a GAI e outras tecnologias semelhantes para aprimorar a maneira como os advogados praticam a lei. Especialistas da indústria já previram que os advogados que aprendem a aproveitar com sucesso essa colaboração entre humanos e tecnologia obterão o máximo dessas ferramentas.

Muitas empresas já estão apoiando essa colaboração ampliada entre humanos e máquinas, combinando “humanos e máquinas de maneira que aproveita as respectivas forças de cada um”. Aqui estão alguns exemplos das eficiências e benefícios da GAI esperados no horizonte:

– Advogados e outros profissionais poderão identificar e extrair informações críticas de grandes volumes de documentos de maneira rápida e precisa.

– A automação aumentada permitirá que os advogados concentrem mais tempo e energia em trabalhos estratégicos e de maior valor.

– A produtividade dos funcionários melhorará, com estudos mostrando que o uso da GAI em tarefas de redação profissional de nível médio resultou em uma conclusão 37% mais rápida, mantendo uma qualidade semelhante.

– As organizações poderão otimizar suas práticas de contratação.

– Haverá uma ênfase maior nas organizações em aproveitar a tecnologia e ser mais eficientes no local de trabalho.

– O Goldman Sachs previu que a GAI “poderia impulsionar um aumento de sete por cento (ou quase US$ 7 trilhões) no PIB global e elevar o crescimento da produtividade em 1,5 pontos percentuais ao longo de um período de 10 anos.” Além disso, estimam que um quarto das tarefas de trabalho atuais poderiam ser automatizadas pela IA, especialmente na indústria jurídica.

– A indústria jurídica terá o potencial de reduzir substancialmente a lacuna existente no acesso à justiça. A ampla adoção da GAI tem o potencial de transformar radicalmente a forma como prestamos serviços jurídicos, permitindo que mais provedores o façam de maneira acessível.

Adoção de Inovações Tecnológicas no Ambiente de Trabalho no Passado

A trajetória histórica da economia revela uma notável capacidade de adaptação e prosperidade diante das revoluções tecnológicas. No século XX, a substituição de trabalhadores pela tecnologia emergiu como um elemento fundamental para o crescimento da produtividade. Embora o receio da “ascensão dos robôs” persista, estudos recentes sugerem que a adoção de robôs pode, na verdade, impulsionar o emprego em contextos específicos. Pequenas e médias empresas, por exemplo, têm obtido sucesso ao incorporar essa tecnologia para aprimorar a qualidade de produtos, aumentar a eficiência e até mesmo diversificar linhas de produtos.

Esses benefícios estendem-se a diversos setores. Há 150 anos, quase metade da força de trabalho nos Estados Unidos estava na agricultura. Atualmente, esse número é inferior a dois por cento, principalmente devido aos avanços tecnológicos. Fazendas modernas adotaram tecnologias avançadas, como robôs, sensores de temperatura e umidade, imagens aéreas e tecnologia GPS. Esses sistemas de agricultura de precisão e robótica possibilitam que as empresas se tornem mais lucrativas, eficientes, seguras e ecologicamente conscientes.

Em 1980, a introdução dos primeiros caixas eletrônicos provocou previsões sobre o fim de empregos tradicionais de caixas de banco. No entanto, atualmente, há mais caixas eletrônicos no Brasil do que há 40 anos. A tecnologia dos caixas eletrônicos não eliminou a necessidade do toque humano no banco. Em vez disso, possibilitou que os funcionários bancários dedicassem mais tempo à construção estratégica de relacionamentos e menos a tarefas rotineiras, como a contagem de dinheiro.

De forma semelhante, houve um período em que a indústria da aviação temia que a tecnologia tornasse obsoletas as funções dos pilotos. No entanto, até 1995, os pilotos de companhias aéreas e engenheiros de voo eram uma das seções de crescimento mais rápido na economia de transporte dos EUA.

Paralelos intrigantes podem ser traçados entre as indústrias da aviação e do direito. Alguns profissionais jurídicos hesitam em automatizar mais processos, preocupados com o impacto na redução das horas faturáveis e na receita dos escritórios de advocacia. No entanto, os pilotos compartilhavam receios semelhantes que nunca se concretizaram:

“Os pilotos temiam que menos engenheiros significassem menos empregos, mas, ao contrário, aumentos na eficiência levaram à expansão da indústria, com um aumento no número de voos e passageiros. Apesar do uso de computadores para rastrear trajetórias adicionais de voo, pilotos humanos e controladores de tráfego aéreo ainda são necessários para decisões de nível mais elevado relacionadas ao clima e outros obstáculos imprevistos.”

O mesmo pode se aplicar à indústria jurídica em um futuro próximo. O que esses padrões históricos nos ensinam? A nova tecnologia não é intrinsecamente prejudicial ao futuro do trabalho. Pelo contrário, nossa sociedade precisa se ajustar e adaptar estrategicamente para abraçar totalmente as oportunidades apresentadas, minimizando os riscos associados. Essas tendências também indicam que resistir ou proibir a adoção de GAI na indústria jurídica não é o caminho prudente a seguir. A GAI e tecnologias similares podem ajudar os advogados a gastar menos tempo em tarefas administrativas ou repetitivas e mais tempo em trabalhos estratégicos, de alto valor e mais nuance. Esta tecnologia tem o potencial de aprimorar a forma como operam os profissionais do direito – mas somente se estivermos dispostos a implantar as ferramentas de maneira responsável, em conformidade, e abraçar um futuro onde humanos e tecnologia possam coexistir harmoniosamente no campo jurídico.

Como Organizações Estão Abraçando GAI

Empresários e investidores estão antecipando que a Inteligência Artificial Generalizada (GAI) revolucionará as atividades empresariais em diversas indústrias. Peter Wagner, sócio-fundador da Wing, expõe de forma perspicaz o sentimento crescente em relação à GAI, declarando que ela é “mais do que uma tendência” e compartilha sua crença em um futuro “construído em dados, impulsionado por IA e colocado em prática por meio de aplicativos cada vez mais autônomos”. Além disso, ele ecoa o sentimento frequentemente citado por muitos: “Nós… acreditamos firmemente que os humanos não serão substituídos pela IA, mas os humanos que trabalham com IA substituirão os humanos que trabalham sem ela.”

Os investidores não estão apenas falando sobre isso, estão direcionando seus investimentos. De acordo com a PitchBook, os capitalistas de risco aumentaram os investimentos em GAI em 425% desde 2020, atingindo impressionantes US$ 2,1 bilhões este ano, apesar da queda nos mercados de tecnologia em geral. A PitchBook espera que o mercado de GAI continue a crescer, com inúmeras aplicações empresariais no futuro.

Além disso, prevê-se que experimentaremos um impulso econômico muito mais rápido do que nas revoluções tecnológicas passadas – até o final de 2023 e “certamente até 2024” – porque a GAI automatiza o trabalho cognitivo (em oposição ao trabalho manual, que demandaria mais tempo para investir em equipamentos e/ou infraestrutura). Apesar da novidade desse campo, muitos pioneiros já estão adotando a GAI e incorporando-a em seus locais de trabalho. Aqui estão alguns exemplos:

– A PwC está utilizando o Harvey AI para fusões e aquisições, devida diligência e elaboração de contratos. Em março de 2023, a PwC anunciou que daria acesso à plataforma Harvey AI a 4.000 profissionais jurídicos. Eles também planejam investir US$ 1 bilhão em GAI em suas operações nos EUA nos próximos três anos.

– A Morgan Stanley está usando o GPT-4 para alimentar um chatbot que conduz uma busca abrangente em seu conteúdo de gestão de patrimônio. O Chatbot é treinado não apenas em 60.000 relatórios de pesquisa sobre partes da economia global, mas também em 40.000 outros documentos internos da empresa, tornando-se um especialista em qualquer assunto financeiro que um consultor financeiro possa desejar consultar.

– O escritório de advocacia Traverse Legal lançou uma ferramenta de inteligência do cliente utilizando a API Turbo do GPT-3.5, chamada Traverse AI. A ferramenta é um chatbot programado para interagir com os clientes sobre questões legais.

– A Stripe está usando o ChatGPT para melhorar suas operações de suporte personalizado e para ajudar a detectar fraudes em suas plataformas comunitárias.

– O escritório de advocacia global Reed Smith introduziu um novo papel fundamental em sua firma: “Diretor de IA Aplicada”. Essa posição de nível sênior supervisionará o desenvolvimento e a adoção de grandes modelos de linguagem e ferramentas de GAI.

– O escritório de advocacia Edelson compartilhou que está utilizando a GAI para auxiliar em tarefas administrativas, como redação de comunicações e press releases, e para alimentar um diretor de felicidade interno chamado “Chatty”.

– Em fevereiro de 2023, o escritório de advocacia Allen & Overy anunciou uma parceria utilizando o Harvey, a plataforma inovadora de IA construída com base nos últimos modelos da Open AI aprimorados para trabalho jurídico.

– Em março de 2023, a Fisher Philips anunciou que é o “primeiro grande escritório de advocacia a implantar a saída gerada pelo GPT-4 na forma de CoCounsel”, um assistente jurídico de IA que “executa as tarefas mais valiosas para os profissionais legais em uma única interface fácil de usar.”

– Em maio de 2023, a LexisNexis anunciou que criou uma plataforma usando a tecnologia GPT e se associou a algumas das maiores empresas do país, como Baker McKenzie, Reed Smith e Foley & Lardner.

– Outras empresas, como a Holland & Knight, estão focadas no desenvolvimento interno de ferramentas de IA. A Baker McKenzie afirmou que tem estado “incorporando grandes modelos de linguagem em serviços existentes em uma base ‘piloto’ cliente a cliente.”

– Em maio de 2023, a IBM anunciou que espera pausar as contratações para funções que preveem serem substituídas pela IA num futuro próximo. Pouco depois, anunciou o “IBM Watsonx”, uma plataforma que oferece ferramentas para construir modelos de IA e acessar modelos geradores de código.

– Outra empresa que está aproveitando essa tecnologia é a CarMax. Usando o ChatGPT, a CarMax está usando o modelo de linguagem para facilitar para seus clientes encontrar as informações de que precisam, agora geradas rapidamente a uma taxa que era “anteriormente impossível”.

– Em junho, a Oracle anunciou a adição de capacidades alimentadas por GAI para melhorar suas funções de Recursos Humanos existentes, e a Coca-Cola anunciou que está usando GAI para expandir sua plataforma Coke Studio e aproveitar outras oportunidades de GAI.

– Muitos escritórios de advocacia compartilharam publicamente seus esforços para estabelecer forças-tarefa internas ou grupos de trabalho semelhantes para promover sua experiência em IA e coordenar entre os grupos de prática.

– Além do aumento do uso de IA pelo setor privado, até o governo federal dos EUA começou a implementar a IA “em uma variedade de configurações, incluindo melhorar os tempos de espera dos contribuintes ao entrar em contato com a Receita Federal (IRS) e criar competições de IA para prever resultados de saúde de pacientes usando dados do Medicare”.

Conclusão

Ao desbravarmos o cenário atual da indústria jurídica em meio à ascensão da Inteligência Artificial Geral (GAI), ficou claro que estamos no limiar de uma transformação significativa. Os mitos que cercam a substituição completa dos profissionais do direito por máquinas foram desmistificados pela crescente evidência de que a GAI não é uma ameaça, mas sim uma aliada poderosa. Do aumento da eficiência à criação de empregos inovadores, as vantagens da colaboração entre humanos e tecnologia são notáveis.

A economia de tempo proporcionada pela GAI na execução de tarefas tediosas e a aceleração de processos legais complexos são apenas a ponta do iceberg. O aumento da produtividade e o impacto econômico abrangente delineiam um futuro em que advogados se tornam não obsoletos, mas sim mais estratégicos em suas funções. A história nos ensina a abraçar a mudança, e assim como a automação em outras indústrias gerou novas oportunidades, a GAI está pavimentando o caminho para uma era de inovação na prática jurídica.

Os casos práticos de organizações líderes, desde escritórios de advocacia renomados até gigantes corporativos, demonstram que a GAI já está integrada de maneira impactante. A implementação responsável e estratégica da GAI não apenas otimiza processos existentes, mas também cria novas possibilidades, como a redução da lacuna no acesso à justiça e a melhoria na prestação de serviços jurídicos.

Enquanto nos aventuramos por esse novo capítulo da indústria jurídica, a visão é clara: a Inteligência Artificial não é uma ameaça à profissão legal, mas sim uma ferramenta poderosa para potencializar o trabalho humano. À medida que advogados e profissionais do direito aprendem a colaborar efetivamente com a GAI, tornamo-nos protagonistas de uma revolução que aprimora, em vez de substituir, a essência do nosso trabalho. O futuro do direito é moldado pela colaboração harmoniosa entre humanos e máquinas, um caminho promissor que redefine a prática jurídica para o benefício de todos.

Referências

 

Pierce, Natalie, and Stephanie Goutos. “Why Law Firms Must Responsibly Embrace Generative AI.” Available at SSRN 4477704 (2023).

Envie seu contato, em breve entramos em contato com você!